O Deus que se auto-revela

Falar da Auto-revelação de Deus é significativo para nós cristãos, pois entendemos a partir disso, que não somos capazes de conhecer a Deus sem que Ele mesmo se apresente e se mostre a nós.

Portanto, desde os períodos remotos de nossa história, vemos Deus vindo ao nosso encontro e revelando-se como o Senhor que reina e governa sobre a nossa vida.

Logo no começo da história da redenção de Israel do Egito, Deus aparece para Moisés em uma sarça e apresenta-se como aquele que é o único e supremo Deus capaz de dirigir e mudar a vida de seu próprio povo. E Deus mostra exatamente assim em

 

EX3:15: “Disse Deus ainda mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O Senhor, o Deus de vossos país, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós outros; este é o meu nome eternamente, e assim serei lembrando de geração a geração”.

 

Deus declarou este nome a Moisés, quando lhe falou do meio da sarça que ardia e não se consumia pelo fogo. Deus começou a se identificar como o Deus que se empenhou em uma aliança com os patriarcas Gn17.1-14.

O AT constantemente celebra o fato de que Deus tornou seu nome conhecido a Israel, e os Salmos dirigem louvor ao nome do Senhor incessantemente (Sl8:1; 113:1-3; 145:1,2) A Auto-revelação de Deus aponta para Deus como um ser pessoal, que se interessa por nossas vida e por nossos problemas e crises.

Quando Deus se revela a seu povo, Ele mostra primeiramente a incapacidade humana em conhecer a Deus se este não se auto-apresentar Ex3.15, e mostra também que o verdadeiro conhecimento vem de Deus para seu povo Sl100.3

A auto-revelação de Deus, nos ensina o quanto somos guardados e amparados por Deus, o quanto Deus se importa conosco e o quanto está sempre disposto a ajudar-nos em situações críticas. Em o NT a auto-revelação continua, mostrando-nos Jesus Cristo como o Deus encarnado, vindo ao mundo, tornando-se um de nós.

Em o nascimento de Cristo, vemos o Verbo se encarnando e trazendo ao mundo e as nossas vidas, esperança, satisfação e prazer Mt1.23, Jo1.1, Jo1.18, Jo14.9-11. Com isso vemos que o Antigo Testamento iniciasse com a revelação de Deus, indo até o homem no jardim do Eden, e alcança seu ápice na vinda de Cristo ao mundo, tudo isto demonstrando o interesse de Deus pelo seu povo.Gn3.8.

 

Escritura, a grande Apresentação de Deus

A palavra bíblia vem do termo grego que significa livro. E bíblia sagrada significa de forma simples, livro santo. A bíblia contém sessenta e seis livros distintos, escritos originalmente em três idiomas distintos, hebraico, grego e algumas porções em aramaico no decorrer de mais de 1000 anos.

Os conteúdos dos livros da bíblia são dos mais variados, há livros de história, de sermões, cartas, um hinário e um cântico de amor. Na bíblia vemos uma vasta pesquisa geográfica, como aquela feita por Moisés no decorrer do Pentateuco, diários de viagens, árvores genealógicas e outros tipos de escritos.

Essa forma de escrever torna a bíblia um livro adaptado a um ordem de escrita que seguem regras utilizadas por muitos escritores hoje em dia. Uma crônica por exemplo, é a capacidade de escrever coisas que ocorrem no dia-dia das pessoas, narrando-as com máxima fidelidade e coerência.

E quando vamos para as Escrituras, autores sagrados utilizaram regras de escrita de maneira a demonstrar que a bíblia, ou seu conteúdo histórico, nunca anulou a capacidade de escrever e a coerência das palavras de seus autores.

A palavra bíblia não está na bíblia, bíblia não é um vocábulo bíblico. O NT ao referir-se ao AT usa a palavra Escritura, ou melhor, ÀS Escrituras. O termo grego é graphe, que quer dizer, escrita. O alemão diz: die Heilige Schrift, que quer dizer: a escrita sagrada.

O NT chama o AT de a lei, termo este para referir-se ao Pentateuco, mas também os profetas e os salmos Jo10.34,35; 15.25, citando Sl82.6 e 35.19; e também 1Co14.21 citando Is28.11,12. Ao falar sobre as Escrituras, Cristo está falando a respeito de escritos que continham instruções de autoridade e que ele e os apóstolos se referem como sendo a palavra Sl119.

As Escrituras são o relato histórico da revelação, nela vemos Deus nos falando sobre a criação, sobre a queda, sobre a encarnação do verbo, o drama da redenção do homem e assim por diante.

As Escrituras, também são, uma revelação na forma de um registro histórico. Rm3.2, 2Tm3.16, toda a Escritura é inspirada por Deus, isso não implica que os autores bíblicos tiveram algum tipo de êxtase na estruturação da escrita bíblica, mas que o Santo Espírito de Deus soprou no coração Deles aquilo que deveria ficar registrado como autoridade para nossa vida.

A palavra inspiração no texto bíblico de 2Tm3.16, vem do vocábulo grego Theopneusto, que significa soprado por Deus. Neste sentido, inspiração é a obra do Espírito Santo soprando no coração dos homens o que Ele queria que ficasse registrado a fim de comunicar seus pensamentos aos homens.2Pe1.21.

A bíblia tem sua autoridade vinda do próprio Deus, portanto, ele serve de regra e fé para todos os homens. A autoridade bíblica é devia ao fato de Deus tê-la soprado, inspirado no coração dos homens. Sua autoridade não advém da igreja ou dos teólogos, vem do próprio Deus. As Escrituras são sagradas porque elas vem do próprio Deus e são autoridade para a vida dos crentes.

A bíblia começa com o seguinte enunciado, Assim diz o Senhor. E quando o Senhor diz, o que Ele diz é autoridade para a vida de sua igreja e de seu povo no sentido específico. Ela é a palavra da verdade 2Tm3.15. Por isso, nos dobremos diante dela 1Pe1.10-12.

 

O Mundo, Criação de Deus

Quando percebemos a verdade bíblica, pela graça de Deus, aprendemos nesta verdade revelada, que o nosso Deus é o criador de todas as coisas e que essas coisas, mostram o amor e a presença de Deus na proteção e providencia de tudo sobre a nossa vida.

Nesta reflexão sobre a criação, quero destacar a sabedoria criativa e inteligente de Deus quando Ele manda vir a existência as coisas que vemos e aquelas que não vemos, mas que fazem parte da criação do Senhor. Observem o texto bíblico que aponta para Deus o Criador.

Que variedades, Senhor, em tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas Sl104.24

Não somos fruto do acaso, nem de uma sopa super aquecida como ensinam os teóricos do big bang, fomos criados com um propósito definido e específico, as escrituras que são autoridade de Deus para nós afirmam constantemente que somos criação de Deus Gn1.1.

Deus chamou todas as coisas à existência e fez com que a existência de todas as coisas, ficassem submissas ao ato criador da vontade de Deus. Todas as coisas foram feitas pela vontade Dele e sem Ele nada do que foi feito se fez Jo1.1-3.

Isso é radiante ao nosso coração, pois mostra que somos cuidados e temos a nosso favor, alguém capaz de proteger e guardar a nossa vida por ter domínio sobre ela. As pessoas da trindade estão envolvidas na obra da criação e isso nos ensina que a criação não foi um sentimento arbitrário de Deus mas foi algo concordemente aceito pelas pessoas da trindade.

Alguns textos das escrituras mostram isso, e creio que aprendemos o quanto fomos e temos sido valorizados por Deus que nos criou e que cuida de nós Gn1.26. Sei que a rebeldia no coração humano, leva os homens a rejeitarem sua pátria e seu nascimento, mas a bíblia aponta para uma dependência plena de nós em relação a Deus. At17.25-28.

Saber que somos criação de Deus,ensina-nos que sabemos quem somos, de onde viemos e o que estamos fazendo aqui, não estamos perdidos procurando uma casa, nossa casa é o Senhor, Nele, o Criador, encontraremos paz e descanso sempre.

Quando as Escrituras apontam Deus como o nosso refúgio, a idéia é de que Deus é um abrigo forte e inabalável nos momentos de dificuldades seja em conseqüência da doença, de uma insegurança familiar, por problemas financeiros ou mesmo por crises emocionais e outros tantos fatores.

O Sl46.1, é absolutamente otimista e nos ajuda a perceber o cuidado de Deus sobre nossa vida. Isso se dá, porque o nosso Deus nos criou e seu prazer é cuidar de sua criação suprindo todas as necessidades que porventura apareçam em nossas vidas Sl104.27.

 

A Soberania de Deus

Observamos todos os dias, o quanto os homens, tentam viver e agir no universo de Deus, achando que nunca prestarão contas a ninguém pelos atos que praticam. Gostam de viver como se fossem donos de sua própria vida e muitas vezes, querem que Deus se adapte a sua maneira de ser.

Mas quando falamos de soberania de Deus, estamos pensando sobre o exercício de sua supremacia através da qual o Deus da bíblia, mostra-se elevado e acima de todas as criaturas do céu e da terra. A Soberania de Deus, mostra o Senhor como Alguém que não está sujeito a ninguém, não influenciado por nada e absolutamente independente Is46.10.

Um texto dentre vários que podemos usar como chave neste estudo é o de Dn4.34 e que diz:

“Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonossor, levantei os olhos ao céu, tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo  domínio é sempiterno, e cujo o reino é de geração em geração”.

A história é bem conhecida em que o grande imperador Nabucodonossor foi tornado um animal que pastou no campo durante mais de 1 ano. Ao findar o tempo determinado por Deus, este mesmo imperador, já curado de sua arrogância e soberba, viu, que há somente um único Senhor, que é Supremo e Soberano sobre todas as coisas.

Nós filhos de Deus precisamos crer que A Soberania de Deus é um atributo que trás consolo e consolo aos nossos corações. Quando cremos nisso, aprendemos que nada acontece por acaso, que ainda que sejam dias ruins como foram os dias de nosso irmão Jó, sabemos que o nosso Deus tudo pode Jó42.1-6.

O salmista no SL115.3, nos ensina que: O Nosso Deus está nos céus e tudo faz conforme lhe apraz. Isso mostra o seu poder em ter feito os céus, em ter criado a terra, em ter posto nela o homem criado conforme a sua imagem e semelhança, para mostrar a tudo e a todos, a glória de seu Santo e poderoso nome.

A visão de Deus do seu santo trono e isso desde os tempos do AT visto por Is6, Ez1.26 e depois no NT em Ap4, sempre apontam para a Soberania de Deus que além de governar sobre todas as coisas, mostra o quanto as tem amarradas e bem ajustadas pelo seu poder. Infelizmente os homens muitas vezes se “dispõe” a permitir que Deus esteja em toda a parte, exceto em Seu trono e agindo assim, mostra a deficiência em crer que tudo em nossa vida, é regido do trono Soberano de Deus.

Uma boa literatura pra combater esse tipo de pensamento é o livro de John Frame: Não Hà outro Deus, nele vemos a perspectiva de Deus como o Soberano Senhor e Rei do Universo.

Saber disso, trás paz ao nosso coração ainda que vivamos momentos agudos de intensa dúvida e incerteza em nossa vida. O nosso irmão apóstolo Paulo em Ef1.11, nos diz que Deus fez todas as coisas de acordo com o conselho de sua vontade. Isso significa que sejam nos momentos bons e nos difíceis, nenhum deles foge ao controle e domínio de Deus e nós podemos saber e confiar claramente, que o choro pode durar uma noite mas a alegria virá pela manhã. Deus é Soberano.

 

A Santidade de Deus e a nossa

Quero sugerir a leitura do livro: O Deus do Sexo, Peter Jones, Cultura Cristã. E sugiro a leitura deste livro, pois nele, o autor muito bem embasado e fundamentado por meio de pesquisa acadêmica, mostra claramente, que a idéia de perversão sexual, o que podemos apontar para vários outros tipos de imoralidades, são conseqüências diretas dos tipos de deuses que as pessoas servem e seguem.

A mitologia grega co seus deuses imorais e libertinos, incentivou uma libertinagem intensa na vida de Calígula, Nero, por exemplo, dentro da cultura Persa, a mesma coisa. A referencia errada que temos da santidade e do que ela significa e representa para nós, influencia diretamente em nosso comportamento em vários seguimentos de nossa vida.

O Deus das Escrituras constantemente reivindica para si, o atributo de santidade, que o qualifica como um ser puro e santíssimo em tudo o que faz e executa. Ap15.4 “Quem não te temerá a ti, ó Senhor, e não magnificará o teu nome? Porque só tu és Santo”.

Não há outro deus ou deuses que sejam santos. No livro de Camões os Lusíadas vemos a citação dos deuses pagão do Olímpio sempre guerreando e brigando pelo poder, enquanto nas Escrituras, vemos o Deus Santo que governa com santidade e justiça de seu santo trono.

Em o Deus da Bíblia e somente Nele, são achados toda a excelência da moralidade e da justiça. Nele não há mancha e nem impureza, tudo o que ele faz, é absolutamente coerente com seu ser santo. A bíblia diz que Deus é glorificado em santidade Ex15:11. Será que sabemos o que isso significa?

Isso significa que a santidade é próprio da natureza divina de tal maneira que Deus nem mesmo pode contemplar algo que seja imoral e ilícito aos seus santos olhos. Hb1.13.

A santidade de Deus faz de Deus um ser separado de nós e ao mesmo tempo, mostra-o como digno de nossa adoração e louvor. A santidade de Deus nos ajuda a perceber que todos os seus atos, são atos de justiça, que todos os seus pensamentos, soa pensamentos moralmente corretos, que nada escapa de sua governo puro Rm7.12.

Sua justiça é santa, sua lei é santa, sua palavra é santa, sua ira é santa Sl145.7, Is6.3. Seria impossível neste pequeno capítulo evidenciar a santidade de Deus nos mais variados aspectos, portanto, busquemos viver vida limpa que seja um reflexo daquilo que nosso Deus é para nós.

Temos um Deus que se expressa por meio de sua santidade em todas as coisas por isso, temos um padrão que deve servir de direção para sermos pessoas retas e justas naquilo que fazemos. Oremos a Deus e busquemos nos afastar das coisas que desonram e trazem tristeza ao nosso Deus que de tão puro de olhos que é, não pode contemplar o mal. 1Pe1.19

 

A Providência de Deus

Deus governa este mundo, e isso faz parte de seu ato providencial, através do qual, Deus mostra o seu cuidado e manutenção sobre todas as coisas que existem, para que elas não pereçam ou deixem de existir. As obras da providencia de Deus são: “a sua maneira santa, sábia e poderosa de preservar e governar todas as suas criaturas, e todas as ações delas”. Breve Catecismo P11.

No decorrer das Sagradas Escrituras, vemos claramente a direção de Deus, na condução de tudo o que existe e acontece no  mundo. Há um livro escrito pelo Ver. Heber Campos, A Providencia, Cultura Cristã, em que o autor de maneira profunda e bem clara, fala sobre a sustentação de Deus no controle do mundo.

Na bíblia vemos o controle que Deus exerce sobre todo o universo, mostrando-nos que de tudo que existe em nosso belo e maravilhoso cosmo é e foi milimetricamente planejado e executado de acordo com a vontade de Deus Sl103.19. O domínio do Senhor sobre todas as coisas, mostra que nada que existe, existe a parte de Si Mesmo.

Devemos porém observar, que Deus não preocupa-se em cuidar somente de um detalhe de seu maravilhoso mundo, mas, cuida também das coisas reconhecidamente físicas deste mundo Jó37; Sl104.14; Mt5.45. Desde as grandes coisas, como os planetas e a órbita das estrelas seja as de menores como as de maiores grandezas, estão nas mãos de nosso Deus.

Porém Deus cuida de nós em nossa individualidade e inclusive dos animais, criados por meio de seu poder. Todas as coisas foram perfeitamente estabelecidas pelo Senhor. Os animais irracionais Sl104.21,28; Mt6.26, aquilo que aparentemente tem valor insignificante dentro de nossa classificação e escala de valores, está sob o cuidado de Deus.

Os negócios das nações At17.26, e inclusive o destino e o nascimento das pessoas, coisas essas aparentemente autônomas e auto-suficientes, são dirigidas pela providencia de Deus Sl139.16; Is45.5, Is46.10-11. Até mesmo os nossos aparentes fracassos e os nossos sucessos são atos providenciais de Deus na vida e na história desses homens.

Todas as coisas são dirigidas ao seu fim determinado o que nos ajuda entender que Deus tem o comando completo desse mundo em suas mãos, seu governo é visível em cada coisa que acontece neste mundo. Ef1.11. Na ação da providência de Deus vemos o Senhor usar a seu favor, as causa secundárias e as obras contingentes coisas essas relacionadas aos atos dos homens e das criaturas que ele mesmo criou para exercerem e executarem o objetivo ultimo da vontade de Deus.

No caso de José contado por Moisés em Gn50.19-21(leiam) isto é claro, Deus usa uma atitude má e invejosa dos irmãos de José, para que no final víssemos a direção e o cuidado de Deus sobre a vida de seu povo na preservação de todos os nossos irmãos de Israel.

Devemos aprender com esse estudo que nunca estamos sob o domínio de forças cegas. Deus nos fez e Dele somos e, portanto, todo o cuidado de Deus em nossa direção, nos dá a certeza de que podemos descansar ainda que sejam momentos de lutas e aflições.

 

À Deus Toda a Glória

Falar da glória de Deus é difícil e inimaginável, no entanto, as Escrituras nos dão alguns caminhos para que solidifiquemos uma pouco mais o aprendizado neste sentido e exaltemos o santo e poderoso nome do Senhor, que é Glorioso. Em Ez1.28, vemos as seguintes palavras se referindo a glória de Deus:  “Como o aspecto do arco que aparece na nuvem em dia de chuva, assim era o resplendor em redor. Esta era a aparência da glória de Deus”

O alvo de Deus é sua própria glória não que isso signifique algum tipo de egoísmo em Deus, pois Deus não pode ser tomado por qualquer sentimento que seja relacionado a fraquezas humanas. Por isso, quando falamos da glória de Deus, apontamos que todas as coisas se dirigem para o próprio Deus como Criador e Senhor que Ele é.

A bíblia em Ef1.6, 12,14 deixam claro atos da criação e do domínio de Deus exercidos e por Ele mesmo comum a finalidade primeira e última de que Sua glória seja demonstrada. A glória de Deus caracteriza o Senhor Todo-Poderoso como Alguém de valor, de riqueza, de esplendor e dignidade palavras essas expressadas com o propósito de mostrar a diferença entre Deus e nós.

No AT testamento, a glória de Deus o distingue de todos os outros deuses, fazendo com que seu povo visse Seu Senhor como distinto dos homens e dos anjos, como aconteceu inclusive em Is e no texto de Ezequiel 1.28, em que o trono do Senhor aparece num contexto sobrepujando os próprios anjos.

A glória do Senhor era revelada por meio de seus atributos que o separavam de outros, mas nunca foi mostrada como se fosse o próprio Deus Ex24.17. Porém em o NT, vemos a glória de Deus se mostrando aos outros, dizendo a Eles que a Glória de Deus é o próprio Cristo.

Observe em Jo1.14, o que João disse a respeito do Verbo que se encarnou: “ E vimos a Sua glória, glória como a do unigênito do Pai”. Agora percebam que o vir a glória, é ver a encarnação do Verbo, Jesus vindo ao mundo. Todas as virtudes às quais são vistas de Deus por meio de sua glória, referentes às qualificações de Deus, focalizam o próprio Cristo;.

Cristo é a glória de Deus, a glória de Deus então, reivindica a si mesmo honra, não por causa de qualquer ato de egoísmo em Deus, mas por que a glória de Deus é o Seu próprio filho. Portanto, quando Paulo nos ensina que em tudo que fizermos, devemos fazer para a glória de Deus, isto significa que nossos pensamentos e atos, devem dirigir-se unicamente a Cristo, como Senhor e Deus que Ele é.

Outros textos como 2Co4.3-6 e Hb1.1-3, são claros em demonstrar Cristo como o ponto máximo da glória de Deus. Se nosso irmão Moisés não viu a glória de Deus quando fez o pedido ao Senhor, no texto lido acima, nós vimos a Cristo por meio da Escritura e isso é a glória de Deus. Que conhecer essas coisas nos faça viver melhores como homens de Deus, sabendo que Deus revelou sua glória a nós e que esse privilégio nunca poderá ser desprezado. Querendo conhecer um pouco mais sobre a glória de Cristo, leiam o livro A glória de Cristo, R.C.Sproul.

 

Idolatria, uma ofensa a Glória de Deus

Se por um lado, falamos acima sobre a glória de Deus visualizada em sua totalidade na pessoa de Cristo, por outro lado, vemos que o pecado humano, sempre leva o homem ao mais profundo abismo, desrespeitando ao seu criador e o rejeitando terminantemente.Alguns textos que se seguem abaixo mostrarão a repulsa divina e todo o seu furor, contra aqueles que desprezam sua glória, buscando caminhos que não exaltam e agradam a Deus, recebendo sobre si, a justa punição de seus erros. Ez20.18ª citação de Os2.13, é um expressão do desagrado de Deus em relação aos que rejeitam sua glória, buscando na idolatria a referência de adoração e culto. “Castigá-la-ei pelos seus dias de Baalins, nos quais lhes queimou incenso, e se adornou com suas arrecadas e com as jóias, e andou atrás de seus amantes, mas de mim se esqueceu, diz o Senhor”.

Deus leva muito a sério a questão da idolatria e promete severidade no tratamento daqueles que o desonram. É visto no texto bíblico, que esta foi a causa de eles serem enviados para o cativeiro babilônico e Deus os chamou de adúlteros espirituais por causa de suas predileções por deuses estranhos que são considerados abomináveis diante do Senhor. Jr3, Ez16.

A bíblia mostra claramente que Deus se agrada da exclusividade e não se contenta com nada menos que isso, Ele é um Deus zeloso e não divide a sua glória com ninguém Ex20.3-6. Há nas Escrituras Sagradas, ordens vigorosas da parte de Deus, com expressão de fúria divina no sentido de mostrar aos homens, que estes não devem seguir aos ídolos, que eles são ilusórios e não deveriam receber nada a menos que o desprezo Sl145.4-7. Is2.18.Inúmeras passagens na bíblia  deixam claro a inoperância dos ídolos e sua incapacidade de agir em benefício da humanidade, porém, a busca por essas alternativas, são a conseqüência do pecado no coração dos homens que os afastam do Deus vivo, levando-os a seguir os passos de seu próprio coração. 1Cr16.26.

Não ficam sem punição os que agem desta maneira, Deus trata de forma direta com aqueles que mudam a sua glória, deturpam os seus ensinos e “tiram” do Todo Poderoso a exclusividade na adoração Rm1.22-24. As Escrituras não só condenam a adoração aos ídolos, como também, nos manda nos afastar de qualquer coisa que venha se tornar ídolo em nosso coração. Creio que neste caso aqueles que são crentes unicamente em Cristo Jesus, e têm Nele, sua referência de culto e adoração, precisam cuidar-se com outros tipos de idolatria. E quero definir idolatria aqui, “como um sentimento de adoração exclusiva, reconhecendo como a coisa mais importante da vida tudo o que não é o Deus verdadeiro”. Jn2.8.

Com isso digo que podemos ser cristãos e ser idólatras, podemos ser crentes em Cristo e amar mais o dinheiro do que a Deus, amar mais o trabalho do que a Deus, amar mais a nós mesmos do que a Deus, amar mais os nossos familiares do que a Deus e assim por diante. Uma pergunta que surge neste momento é: o que mais valorizo em minha vida?1Tm6.10 No que tenho dedicado mais o meu tempo? Em Mt6.33, Jesus nos ordena: Buscai em primeiro lugar o reino de Deus……Se nos preocupamos com a idolatria a ídolos, devemos cuidar de nosso coração, para que eles não sejam construídos lá dentro, de uma forma diferente daquela que negamos como dobrar-se diante de uma estátua, mas que vem nos distanciando de Deus, por nos dobrarmos diante de nossos desejos egoísta. Pv4.23.  Leitura recomendada: Idolos do Coração e feira das vaidades, David Powlison, Ed Refúgio.

 

Humanidade, criada como reflexo do Criador

É evidente na bíblia, que Deus nos fez conforme a Sua imagem e semelhança, o que significa que Deus nos criou para refletirmos a Sua glória e demonstrar a grandeza do nosso Senhor.

No texto de Gn1.27: “Criou Deus, pois o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou: homem e mulher os criou”. Esta afirmação mostra que os seres humanos foram criados por Deus de uma maneira em que nenhuma das outras criaturas foi. Há neste sentido uma dignidade especial no homem que foi feito para demonstrar o Seu Senhor.

Deus cria o homem e os torna agentes diretos de seu interesse neste mundo. Deus nos fez e nos tornou co-gerente de toda a obra de sua criação, somos os representantes de Deus no mundo, e só encontramos sentido para vida, quando entendemos de onde viemos e o que estamos fazendo aqui.

Nosso primeiros pais, Adão e Eva sabiam exatamente o que faziam neste mundo, antes de o pecado lhes atingir o coração e desfigurá-los como imagem e representante de seu Senhor Gn2.15 nos diz: Tomou Deus o homem e o colocou no jardim para o cultivar e guardar. Deus deu ao homem a honra de dar nome aos animais, arar a terra, e protegê-la com um cuidado todo especial Gn2.20.A imagem de Deus no homem consiste em este ser, inteligente, criativo, ser alguém espiritual, ter domínio sobre os animais e adorar a Deus com seu intelecto prestando um culto racional ao Seu Deus Rm12.1-2. Deus criou o homem reto, sem nenhum tipo de pecado, Deus criou o homem bom assim como toda a obra da criação foi criada Gn1.31, Ec7.35.

O homem era um ser absolutamente justo e santo sem nenhuma propensão para o mal, a humanidade antes do pecado, vivia de tal maneira que todos os nossos atos eram atos de justiça, olhar para o homem era ver o próprio Deus.Deus visitava o jardim na viração do dia Gn3.8 e isto mostra o grau de intimidade e proximidade e cuidado de Deus com sua mais importante criação, Deus ia ao homem, ensiná-lo e dialogar com ele sobre como as coisas estavam caminhando no paraíso de Deus. O mandato cultural e espiritual estavam ali, sendo incontestavelmente percebidos por meio da ordem de Deus em mandá-los crescer, multiplicar, encher a terra, cuidar dela, adorar a Deus, cultuá-lo e assim por diante Gn1.28.

Para ser exato, outras criaturas, e mesmo os céus, declaram a glória de Deus, mas somente no homem Deus torna-se visível. Os teólogos reformados falam da revelação geral de Deus, na qual Ele revela a Sua presença, poder e divindade através das obras de suas mãos. Mas na criação do homem, Deus revelou-se a Si mesmo de um modo singular, por tornar alguém que era uma espécie de espelho, uma imagem de Si próprio.

Não há nenhuma honra mais alta que esta, nenhuma de suas criaturas recebeu tal alta honra exceto o homem, ter o privilegio de ser a imagem de Deus. As palavras Imagem e Semelhança, lançam luz a afirmação feita acima, pois o sentido delas em hebraico é: ser cortado, talhado, ser igual. A idéia é de um escultor, que esculpiu alguma coisa.

O ponto central seria o fato de Deus ser o original de onde veio a cópia que é o homem. Neste sentido Deus nos honrou acima de todo o restante da criação. Para saber mais leiam, Criados a Imagem de Deus, Hoekema, CC.

 

O que a queda fez conosco: desobediência, uma tragédia

A palavra queda, não existe no texto das Sagradas Escrituras, mas o significado disso, está relacionado ao ato de desobediência de nossos primeiros pais Adão e Eva, quando os mesmos, agiram em forma de rebeldia contra a palavra de nosso Deus.

Neste sentido, queda se refere a ruína e a prostração as quais nossos pais do passado amargaram e nos levaram com eles, por serem nossos representantes. A queda mostra o estado em que os seres humanos se meteram, por terem desobedecido e não dado ouvidos a palavra de Deus. Gn3.6.

Na verdade o que aconteceu com nossos primeiros pais, foi uma quebra de pacto, é nisto que consiste a queda, é isso o que significa a desobediência, um ato de rebeldia da parte do homem, fazendo da lei de Deus e de sua ordem, algo sem importância e significado para sua própria vida. Quando isso acontece, vemos uma enormidade de problemas, tornando-se comuns em nosso meio.1Jo3.4

Em Gn2.16, Deus deu uma ordem ao homem, e este deveria obedecer. Deus é o Senhor do pacto, é o Deus da aliança, estabelece as clausulas contratuais e determina como devemos seguir suas determinações vs17. Mas descontentes com a nossa condição de seres humanos, cobiçamos e desejamos ser como Deus era Gn3.5. A serpente soube como conduzir a história, alcançando o coração da mulher e esta posteriormente de seu marido.

O mal que era algo conhecido teoricamente pelo homem, no aviso que Deus lhe dá, sobre o não comer da árvore, agora, torna-se um desejo e sentimento irrecusável em seu coração, como produto da rebeldia e do distanciamento de seu Criador Gn3.7. Abrir os olhos no texto, é uma forma de ironia apresentada pelo autor para demonstrar que o tão desejoso projeto humano, havia dado “certo”.

Agora realmente saberiam o que é o mal, experimentariam dele e sofreriam às conseqüências desalentadoras que a quebra do pacto trouxe sobre eles e nós todos, neles representados. Leiam Gn3.15-20, e observem todas as tragédias nascidas da afronta humana contra Deus. Ao criar Adão e Eva, Deus os fez como representantes de toda a raça humana, por isso, entendemos melhor a queda como um ato de todos os seres humanos que estavam representados em Adão.

Os textos são longos em Rm1.18-3.20, mas mostram o pecado na pessoa e o estrago que ele fez no gênero humano, por outro lado, vemos também em Rm5.12-14, At17.26, 1Co15.22. Somos todos ancestrais comuns de Adão e esses textos bíblicos mostram isso. Portanto, devemos tomar muito cuidado com atos de rebeldia que deliberadamente praticamos contra Deus, pois as conseqüências são drásticas para nossa vida. Viver com integridade é a melhor coisa.

A queda nos estragou bastante, mas, o aperfeiçoamento em Cristo, tem nos levado a viver com pureza e este deve ser o nosso alvo, abandonar as coisas que são erradas, pois vimos o que a desobediência causou em toda a humanidade.

 

Cristo o Sacrifício para trazer tudo ao normal

O ser humano antes do pecado era um ser normal, e entendam normal, no sentido de ser alguém perfeitamente adaptado para cumprir a vontade e a lei de Deus. Quando o pecado entrou no mundo, o homem caído, torna-se rebelde contra seu criador e vê sobre si, uma avalanche de conseqüências por esse motivo, sendo a morte, a mais trágica de todas elas Rm6.23.

Porém Deus no conselho eterno  havia dado ao Filho, todos aqueles por quem o filho deveria pagar a sua dívida e fazer um sacrifício que cobrisse os seus pecados. Isso se chama expiação. Expiação significa cobrir, significa dar uma satisfação pelos erros cometidos, significa consertar algo de errado que foi feito. Glória a Deus pelo seu pacto eterno com Cristo.

No passado Deus instituiu os sacrifícios de animais como uma forma de cobrir o pecado dos homens, e no livro de Lv1-6 vemos nesses capítulos a maneira com que esses sacrifícios deveriam ser oferecidos diante de Deus. Porém todos esses sacrifícios eram tipos, ou apontavam para o próprio Cristo Lv17.11. Ainda que estes sacrifícios satisfizessem Deus pelo sangue derramado dos  animais, o propósito era mostrar que no futuro, viria o Cordeiro de Deus, Cristo Jesus, que tira o pecado do mundo.

Ainda que Deus aceitasse cobrir os pecados no passado por intermédio do oferecimento dos holocaustos, não eram os holocaustos em si, que comoviam Deus à aceitar o pedido feito, mas sim, a fidelidade, a fé com a qual os holocaustos eram realizados. Tudo pressupõe fé Hb10.11.

Cristo então vem ao mundo, e como o Cordeiro de Deus, Jo1.29 derrama seu sangue para a purificação de nossos pecados, dando aos seus servos, a perspectiva, de que um dia, voltarão ao seu estado de normalidade, reestruturando o mundo e sua beleza, sem qualquer mancha de pecado Rm8.19-20.

A redenção, o resgate que nos conduz a Deus, está em Cristo Jesus, Ele é o Senhor que nos justifica Rm3.24, Ele é o Senhor que nos cobriu com seu próprio sangue, demonstrando que só por meio de sua obra temos o livre acesso a presença de Deus para vivermos em paz com Ele Rm3.25.

Uma coisa interessante de  observar, é que pecamos contra o nosso Criador e Senhor, e é o próprio Senhor e Criador que fez o caminho da reconciliação de seu povo para Ele mesmo Rm3.26. Homens pecadores nada podem fazer por si mesmos, não conseguem nem mesmo encontrar o caminho que os leva a Deus, Deus é quem constrói essa volta à sua casa, através de seu filho Jo14.6.

O sangue de Jesus, é o sangue purificador, é o sangue do verdadeiro sacrifício, é o sangue da verdadeira volta à normalidade, onde o homem sente no momento e sentirá no futuro, a grande alegria e o gozo do seu Senhor. A obra de Cristo compreende o pagamento de todos os nossos pecados, o que nos dá alívio e paz para viver em comunhão com o Santo Senhor Hb9.11-15.

Jesus Cristo a Ele toda a adoração, uma adoração incomparável, sem igual, só Ele é Senhor, só Ele é digno de nosso louvor e glória, porque por meio Dele, Deus quitou a dívida que tínhamos contraído com Ele, para nos trazer a liberdade Gl4.4 e enxugar de nossos olhos toda a lágrima e colocar-nos no novo céu e nova terra, lugar de justiça Ap21. Leitura, Justificados pela fé Somente, John Armistrong ET ali, CC.

 

A Glória de Cristo, o único representante de seu povo à Deus

A glória de Deus procede de Sua natureza santa e das coisas excelentes que Ele faz. Mas nós só podemos ver esta glória unicamente por intermédio de Cristo Jesus. 2Cor4.6 O nosso glorioso Cristo, realmente fez em nosso benefício uma obra completa, através da qual, Ele nos leva a presença de Deus, mas também, traz Deus até nós, por meio de Si mesmo, demonstrando a glória do Pai, aos seus filhos.

Cristo é a imagem do Deus invisível, olhar para Cristo é ver a própria imagem do Deus invisível, Senhor diante de quem devemos dobrar nossos joelhos e servi-lo eternamente Hb1.3, Cl1.15. A finitude humana, já nos torna absolutamente dependentes da revelação da glória de Deus, o pecado, atrapalhou completamente a nossa interpretação da sua revelação, portanto, somente através do Cristo que se mostra por meio das Escrituras Sagradas, é quem nos conduz a Deus, nos fazendo ver a sua glória.

Se não for por Cristo, nunca nada e nem ninguém poderia conhecer a Deus, nem os anjos e nem os homens. Deus é Espírito e nunca veríamos a Deus se não por intermédio de Jesus Jo1.18 .É Cristo que dá a igreja de Deus a esperança, é Cristo que faz firme a nossa esperança de Salvação e da vida eterna, mostrando-nos o Pai Jo17.3.

A obra conquistadora de Cristo é compartilhada com os seus servos a quem Ele apresenta o próprio Deus, tendo esta obra, como obra da glorificação do Pai e de si mesmo. Glória a Deus por Cristo e por sua representatividade Jo17.4-5. Nós os crentes não precisamos de sinal e nem de sabedoria mundanos que nos aponte para Cristo, pela fé que nos foi imputada, aprendemos que Cristo é o poder de Deus, e sabedoria de Deus 1Co1.22-24.

Satanás nosso adversário, sempre tem perseguido o povo de Deus para que este abandone o evangelho e negue o próprio Deus, deixando de adorá-lo por intermédio de Cristo, tão prontamente revelado no evangelho 2Co4.3-4. Mas Deus resplandeceu a glória de Deus em nossos corações, para que não ficasse ofuscada a sublime presença de Deus em nós, por meio de Cristo.

A própria encarnação é uma manifestação impar da glória de Deus, na encarnação, observamos toda a nossa incapacidade e toda a nossa pequenez, em reconhecer ou conhecer a Deus, ainda que os homens tenham o sentido da divindade naturalmente inscrito em seus corações, por causa do pecado, infelizmente mudamos a glória do Deus incorruptível e a transformamos em glória de homens. Rm1.23.

Deus é amor e sua glória é vista por causa de sua natureza amorosa, pois ele fez a obra beneficiando seu povo, por causa deste amor, que mostra a glória de sua sabedoria na  execução de seu sábio plano Ef1.4-5. 1Jo4.9

Por todos os benefícios que temos recebido, por tudo que Cristo foi e tem sido pelo seu povo, como representante, como mediador, como Rei, Senhor e muitas outras qualidades, qualidades próprias e impares em Deus, a Cristo toda a glória, Ele merece que o adoremos, que o engrandecemos, que o honremos em santidade e fidelidade Jo1.14.

A Glória de Cristo, John Owen.


Um inimigo chamado maledicência I

Há um site na internet chamado O Fuxico, e nele o que as pessoas encontram, são informações a respeito de artistas e pessoas famosas em sua grande maioria, que são alvos de algum ataque que expõe sua vida pessoal, por meio de comunicados que se tornam a opinião e mesmo a certeza de alguns que lêem essas notícias. Já temos muitos meses, em que o casal um dos mais badalados dos EUA e que pelos padrões da modernidade já estão casados há vários anos, tem sido alvo dos tablóides internacionais, questionando a legitimidade e a durabilidade do amor e do casamento entre eles. O casal é Bred Pit e Angelina Jolie.

Aliás, a palavra tablóide em inglês significa, jornal em formato reduzido, condensado, o que expressa bem a insignificância e ênfase de seus escritos que sobrevivem de anunciar escândalos. Mas voltando ao referido casal, dias atrás eles moveram uma ação contra um determinado jornal, exatamente por anunciarem constantemente sobre sua separação e sobre a fachada de seu casamento que estaria por um fio, como constantemente dizem.

A maledicência nos acompanha há séculos, e isso derrubou nossos primeiros pais por ocasião da sedução feita pela serpente que é Satanás, colocando em dúvida a palavra dita do Senhor a Adão em Gn2-3. A fofoca e indiscrição continuam fazendo suas vítimas no decorrer da história. Pessoas sem  o mínimo temor a Deus e preocupação em ver a paz entre os outros, agem maliciosamente caluniando e mentindo sobre a vida alheia aqui e ali.

O triste é quando vemos essas coisas entrando portas à dentro de nossas comunidades evangélicas em que irmãos se atracam falaciosamente uns contra os outros, atirando sempre mais querosene no fogo, a ponto de fazerem de um pequeno problema ou mesmo de uma divergência, uma bandeira em prol da desunião e da ruptura da paz e de amizades inclusive. O texto de Tg4.11 diz o seguinte: “Irmão, não faleis mal uns dos outros”…

Sei de casos em que irmãos acabaram amizades, relacionamentos, proximidade e mesmo nunca mais restauraram a intimidade da confiança, por causa de motivos de fofoca dentro do círculo evangélico. Outros irmãos por puro prazer, maldizem e denigrem a imagem daqueles de quem eles não gostam, o que evidencia a vergonha de seus atos viciosos.

Irmãos, na medida em que agimos como mundanos, perdendo a perspectiva de santidade em nossas palavras e mesmo da busca pela harmonia, por intermédio da paz que devemos semear nos corações uns dos outros buscando sempre a reconciliação entre partes ofendidas, demonstramos que perdemos a perspectiva de servos e passamos a exercer o cargo de juiz e senhor uns dos outros.

Nosso inimigo, a maledicência, tem trazido grandes prejuízos para a igreja de Cristo. Destrói amizades cultivadas a anos, trás feridas infelizmente incuráveis, mata sentimentos, reduz o circulo de amizades, fere o corpo de Cristo que é a igreja e outras coisas. Que  nossos lábios sirvam a outro objetivo e que Deus guarde sua igreja do pecado da língua e se você que lê este informativo, tem algo contra alguém, tenha coragem de lhe dizer e seguir as Sagradas Escrituras, falando com  seu irmão para que a paz e o amor imperem entre os servos de Deus.

 

Um inimigo chamado maledicência II

Creio que vocês viram que não me dei por satisfeito em ter falado somente uma vez sobre este assunto tão importante, o assunto referente a questão da maledicência, algo tão provocador e capaz de fraturar amizades, casamentos, namoros e mesmo sociedades e vários outros tipos de relacionamento.

Portanto, quando chegamos nesse salmo escrito por Davi vemos o autor aqui numa situação de fuga da presença de Saul, e por isso, ele começa o Salmo dizendo, “Bendirei o Senhor em todo o tempo, o seu louvor estará sempre em meus lábios”, e ao dizer isto, ele mostra que seja qual for a circunstância, devemos louvar e exaltar o nome do Senhor.

E no verso13 a observação do rei, recai, sobre os males que uma língua pode trazer a nós, acarretando inclusive a guerra e a infelicidade ver vs14. No vs12 ele mostra que a língua enganosa e fraudulenta, que atinge às pessoas como uma flecha, é capaz inclusive de gerar problemas para todo o sempre na vida dos homens.

Observe que o vs13, é uma ordem, o que demonstra a nossa responsabilidade em trancar a nossa boca, para acabarmos não dizendo coisas que poderão atrapalhar profundamente a todos quantos estiverem envolvidos com a situação exposta pelos nossos lábios. Portanto, a língua pode tornar-se um inimigo invencível e destrutivo, acabando com a integridade das pessoas, colocando sua moralidade em suspeita, acarretando conflitos e mágoas para sempre de uns para com os outros.

Esse tipo de atitude nunca é bem vista da parte de Deus, é uma atitude absolutamente insana e demoníaca a maledicência tem dois culpados no mínimo, aquele que difama, mente e faz a fofoca, e aquele que ao invés de cortar e barrar esse desastre, acaba difundindo e esparramando essas coisas. Observe o que o texto de Pv6.17-19 diz e vejam a ênfase dada àqueles que semeiam contendas entre os irmãos vs19.

É muito sério a ocorrência dessas coisas na vida e no seio da igreja, na família, no trabalho e em qualquer outro nível de relacionamento, usar a língua para ferir e demonstrar ódio contra o semelhante, é algo abominável, terrível e profundamente perverso contra a natureza do próprio Deus.

Agora percebam que o nascedouro de tudo isso está em nosso coração, ainda dentro do texto de PV6, vejam o vs14, e suas implicações e advertência contra homens e mulheres que não são de Cristo e usam suas línguas para esparramar dúvidas e levantar questionamentos sobre a idoneidade dos outros dentro da família e mesmo mais intensamente dentro da igreja. Ainda em Pv6.12, a bíblia chama pessoas que agem desta maneira de homens de belial.

O que significa o adjetivo, Belial, são duas palavras hebraicas que significam, sem proveito, observem o quanto Deus repugna e detesta a maledicência e os comentários maldosos, a ponto de Deus desprezar aqueles que agem desta forma, repreendendo-os e punindo-os como nem mesmo crentes fossem.

Irmãos, temos no NT em 1Cor1.10, uma demonstração de uma igreja fadada a tragédia, uma igreja com muitos problemas, resultado da fofoca, portanto, se quisermos vencer isto, é necessário, que estejamos sempre atentos aquilo que falamos e dizemos aos outros. Que Deus nos abençoe.

 

A Mentira e seu pai

Mentira é algo expressamente censurado e veementemente condenado pela palavra de Deus. A Sagrada Escritura, deixa bem claro, que Deus não vê a mentira e a fraude como algo que agrade aos seus santos olhos. Deus inclusive associa a mentira a um pai, mostram detalhadamente que seus praticantes, agem desta maneira, por servirem ao seu próprio deus, que é o diabo Jo8.44.

Sei que nem sempre damos ou prestamos atenção nas calamidades que uma mentira pode trazer a nossa vida ou mesmo a vida de nossos amigos e parentes, mas os desdobramentos desse tipo de atitude, pode atingir e queimar muitas pessoas, por causa disso, e do mal que isso causa a igreja de Deus, vemos o Senhor nos advertindo constantemente sobre o que Ele mesmo pensa a respeito da mentira, para que nos inibir a praticá-la Sl119.163, o Senhor diz que: “Abomino e detesto a mentira”…

O que já nos serve de incentivo a não praticarmos isso, por sabermos que a prática destas coisas, afrontam a santidade e a pureza do nosso Deus. Vez por outra medimos os pecados em níveis de categorias que podem ser aceitáveis ou não. Pensamos que um adultério ou mesmo um roubo, são mais impactantes para Deus do que aquela mentirinha que conto, quando não quero ir a aula, ou mesmo é mais grave do que dizer ao pai ou mãe que tirou uma excelente nota na prova e na verdade, esconder a prova por vergonha de ter tirado uma nota abaixo da média.

Há muitas pessoas que dizem que; quem não cola não sai da escola, e infelizmente graduamos nossos pecados, alguns achando que há diferença diante do Senhor. As escrituras dizem que Deus, detesta, e essa palavra detesta, é muito grave e pesada, mas mostra o sentimento de repúdio e desagrado de Deus quando fazemos algo que Ele realmente odeia.

Em Ap21.8 O apóstolo João nos impressiona com a demonstração óbvia do desagrado de Deus com aquela mentirinha, dizendo que os mentirosos a parte que lhes cabe é o inferno. Que texto terrível, que mensagem dura do nosso Senhor, pois foi Ele mesmo, o Cristo que revelou ao apóstolo, o que ele deveria saber.

Deus nos adverte e chama atenção sobre os problemas que a mentira traz para às pessoas e ao mesmo tempo, mostra que Deus nos manda abandonar a mentira Ef4.25. Os cristão não podem mentir, mesmo porque, Deus que é conhecedor de todas as coisas onipresente e onisciente Senhor, sabe se o que falamos é verdadeiro ou falso, e quando mentimos, mostramos que não tememos a Deus, pois se o temêssemos jamais tentaríamos enganá-lo.

Antes de mais nada, precisamos saber que  a mentira primeiramente falando é contra Deus At5.3 e Deus não terá por inocente aqueles que agem na prática da mentira, por isso, em CL3.9 lemos: “Não mintais uns aos outros”… O pai da mentira é satanás que desde o começo mentiu e enganou Adão e Eva deturpando a palavra de Deus a eles e, portanto, não devemos de nos submeter aos atos sujos e traiçoeiros de satanás. Se você tem problemas em falar a verdade, se você é escravo da mentira a tal ponto que muitos não dão mais crédito a sua palavra, peça a Deus perdão e graça para ser diferente.

Os filhos de Deus tem um único Senhor que é Cristo e não o diabo, mas a bíblia nos ensina duramente que aqueles que vivem na prática da mentira são filho de satanás leia Pv14.5.

 

Tirania Homossexual e a mordaça Bíblica

No dia 10/11/09, a Senadora Fátima Cleide, PT/RO, e relatora da Comissão dos Direito Humanos do Senado, em cujas mãos foram parar o PLC que significa Projeto de Lei da Câmara, escrito por Iara Bernardi em 2001 deputada, do PT/SP. O propósito de seu texto é; a punição de toda e qualquer pessoa que discriminar quem tiver uma orientação sexual diferente, ou seja, qualquer que falar contra o homossexualismo, de acordo com esta lei, intitulada de PLC 122/06, será passível de penalidades e penalidades pesadas.

A tentativa de aprovação deste projeto vem desde 2001, e quando em 2007, a Senadora Fátima havia homologado a lei para ir à aprovação do Senado, várias manifestações contrárias, impediram com que a Senadora continuasse seu objetivo como paladino da promiscuidade, e tirasse de pauta o projeto, com o propósito de reexaminá-lo. O esquema de Fátima Cleide é mesmo coisa de gente ardilosa e sorrateira. Sem que ninguém esperasse, por não estar nada programado para agora em relação a esse projeto, ela repentinamente conseguiu a aprovação na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Portanto, de forma maliciosa e inescrupulosa, enquanto o texto deveria passar por mais duas audiências na referida Comissão, o mesmo foi empurrado goela abaixo de todos os senadores inclusive os da bancada evangélica e seus representados alguns de nós brasileiros que da mesma forma, repudiamos Bíblico e Teologicamente esta insanidade.

Chamo de insanidade, por crer, que o propósito maior disso é amordaçar os conceitos bíblicos e sua interpretação teológica fazendo uma ditadura do homossexualismo, no qual, pessoas que dizem lutar pela democratização de seus pensamentos, não sabem conviver com o pensamento dos outros. Chamo de insanidade, por ver a incapacidade racional de gente que se diz discriminada e marginalizada, querendo punir com cadeias e prisões, aqueles que pensam diferente deles, discriminando e marginalizando outros.

Chamo de insanidade, gente que defende um sistema democrático de vida, pressupostos na liberdade de expressão como bem dizem os  “missionários”, pois é assim que chamam sua luta, de “missão”, pela promoção da discriminação e construção de uma sociedade mais justa e igualitária. É loucura ou não, gente que se diz a favor de uma sociedade justa e igual, punir quem pensa diferente? Assim é que se portam os componentes da ABGLT, cuja significação das letras é: Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais.O lamentável em tudo isso é que o próprio presidente Lula, foi quem prometeu lutar em favor dos “direitos” dessas pessoas e assim, ele mostra total descaso pelo direito adquirido em vários séculos, que é o direito de pensarmos e discordarmos uns dos outros como é inclusive politicamente falando, numa visão de democracia como a nossa.

A tentativa é impor a tirania, o despotismo do homossexualismo e tentar calar às Escrituras Sagradas, dando ao texto Sagrado um status irrelevante e ultrapassado. Irmãos da Betânia e outros que por ventura lerem esse modesto texto, a aprovação desta lei trará as seguintes conseqüências para a igreja de forma específica, mas para todos de forma geral.Os que falarem contra o homossexualismo no púlpito de suas igrejas ou mesmo, debater, ou escrever sobre este tema, sofrerá pena de 2-5 anos de reclusão. Uma dona de casa que empregar uma babá e depois de descobrir que ela é lésbica mandá-la embora poderá ser punida de 1-5 anos de cadeia. Seremos amordaçados não só os evangélicos, mas todos que ainda de certa maneira, entendem que Deus criou homem e mulher e que a questão da sexualidade é algo definido biblicamente falando ou que creiam que isso é imoral. Os homossexuais não podem receber nenhum tipo de discriminação, porém os heterossexuais não só podem como devem recebê-la. As Escrituras mostram claramente, que os servos de Deus devem buscar sempre ser fieis a Deus, por isso, irmãos orem e votem contra essas coisas, pois elas vão contra a palavra do nosso Deus. E também não temam nunca agirem com fidelidade ao Senhor, pois as Escrituras dizem: “Bem-Aventuados os que não andam nos conselhos dos homens ímpios”, SL1, não tenham vergonha nunca de serem fieis a Deus. Gn1.26-27.

Na história o povo de Deus sempre sofreu retaliações e nunca deixou de vencer suas lutas,pois Deus sempre é quem nos socorre. Portanto, jovens não discriminem quem é homossexual, mas por outro lado, nunca aceite ou concorde que isso seja normal. Adultos e pais de família, não odeiem que pensa diferente de nós, mas não aceitem nunca leis que amordaçam as Escrituras Sagradas, betanianos, eu os convoco a serem sal e luz, no meio de um povo, inclinado naturalmente ao pecado e a rebeldia contra Deus, sem perder a perspectiva do amor e da compaixão por aqueles que estão nas trevas. 1Co6.9-10. Leiam: O Deus do Sexo.

Soli Dei Gloria.

 

A perspectiva bíblica sobre o divórcio

Quando voltamos os olhos para nossa sociedade de valores corrompidos e distante de absolutos morais, o que significa que é uma sociedade sem regras e sem padrões que definem o motivo pelo qual fazemos ou não fazemos as coisas, observamos as pessoas como zumbis guiados sem rumo e sem direção. Isso reflete de maneira direta em nossos valores e comportamentos, se não há regras e nada existe que meça o porque fazemos ou não fazemos as coisas, ficamos sem norte atrás de algo que dê sentido e conduza a nossa história de maneira coerente e bem definida. Nos dias de hoje, os padrões de heterossexualidade foram deturpados e o que temos é uma sociedade que aprovam leis que permitem casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Indo um pouco mais além, a banalização do casamento tem destruído o compromisso de fidelidade monogâmica e a busca pelo prazer, desfigurou os relacionamentos conjugais a ponto de eles serem cada vez mais desprezados tanto por jovens e adultos que vêem no casamento algo sem sentido, como por aqueles que casaram e que pelo motivo de experimentar uma aventura que proporcione prazer, desviam-se de seus pactos de fidelidade e união até que a morte os separe. Gn2.24

Devemos corrigir algumas coisas, primeiramente quanto a viver numa sociedade sem regras, sabendo que existe uma regra que deve conduzir a nossa vida, e esta é a palavra de Deus 2Tm3.16, e percebam que ela funciona como normativa e absolutamente pedagógica e precisar ser observada com temor e devoção por nós. Portanto, quando falamos de solidez de casamento necessitamos olhar para a bíblia e nos dobrar diante daquilo que as Escrituras dizem, e ela nos diz que casamento é algo pra sempre Mt19.5. é uma relação de pacto que nos aproxima mais e mais de nosso Criador que fez um pacto de redenção com seus filhos por meio de Cristo sendo este indissolúvel mesmo que muitas e muitas vezes o ofendamos.

Por isso, o próprio Deus deixa claro o que pensa sobre o divórcio e seu sentimento em relação a essa atitude que muitos casais e infelizmente cristãos tem tomado hoje observe o texto de Ml2.15-16 e perceba o quanto Deus mostra-se irado contra aquilo que ofende a sua instituição. Há casos em que Deus por motivo de infidelidade permitiu o divórcio Mt19.9, mas isso por causa da dureza de nosso coração que ao invés de dispor-se a perdoar, acha no pecado cometido uma brecha para a dissolução.E digo isso, baseado no contexto bíblico de Mt19, que está profundamente envolvido com o capitulo anterior no qual Jesus aborda a questão do perdem se sentir ofendido em qualquer situação. Mt18.21-22, mas a parábola do credor incompassivo também no texto e a direção de como se deve tratar um irmão culpado, fortalecem a idéia de que o perdão é capaz de limpar a mancha mais terrível do casamento.As escrituras dizem que o perdão cobre multidão de pecados e ainda que tenhamos mágoas não só no caso de adultério, mas relacionado a brigas constantes, a tristezas em relação a não ter nossas idéias aceitas e mesmo rejeitadas por uma das partes, o objetivo do cristianismo é mostrar a redenção em Cristo Jesus e essa redenção, nos tira de um emaranhado de idéias erradas sobre casamento e nos mostra que a vida com Deus consciente de quem Cristo é do que Ele fez em nosso lugar, nos torna homens e mulheres que sintam o prazer de agradar a Deus em todos nossos relacionamentos, que Deus nos ajude a viver em santidade e plenitude do Espírito Santo em nosso casamento.

 

Casamento, um pacto de fidelidade e não de maus tratos

Recentemente li uma matéria que falava a respeito de um projeto em Santa Catarina de reabilitação de homens violentos com suas esposas. A questão é a seguinte: A delegacia da mulher numa cidade daquele estado, ao invés de prender pura e simplesmente homens que batem em mulher, resolveram utilizar os serviço de um psicólogo da própria polícia, com a finalidade de ajudar esses homens a pararem de espancar suas companheiras e conseqüentemente de perderem sua família.

E o positivo e curioso nisso, é o fato dessa idéia até agora dar certo, o que é comprovado por algumas mulheres que constantemente tem sido entrevistadas e acompanhadas em seus lares, para falarem da mudança ou não das ações de seus maridos, e até agora a avaliação é positiva. Estratégias como essas mostram a iniciativa correta, de pessoas que se preocupam ainda, com a estruturação e manutenção da família, buscando caminhos legais e conciliatórios para a solução de grandes conflitos dentro de casa.

A violência no lar é algo que atinge a família como um todo, acaba afetando a construção psicológica dos filhos, acarretando traumas aparentemente incorrigíveis sobre relacionamento e comportamento e gera muitos fatores de intrigas que levam a tragédias dentro de casa.

A questão não está somente relacionada a agressões físicas, mas envolve outro fator, que são as agressões verbais, em que palavrões, palavras sujas, ofensas verbais e até mesmo palavras negativas que pais usam para humilhar seus filhos ou o marido e a mulher trocando ofensas, geram muitas dificuldades de relacionamento e de convívio na casa, atraindo a ela, o desrespeito, a mentira por causa da intimidação e o medo da reação do agressor e assim por diante.

O casamento não é para ser vivido assim, principalmente por aqueles que se dizem cristão, para os cristãos o casamento de ser erigido a partir da Teocentralidade de Deus nas esferas primárias de construção desses relacionamento, por entendermos que é tendo Deus como o ponto focal de partida em nossa história, é que construiremos histórias mais agradáveis para nós mesmos, por entendermos que na medida em que buscamos agradar a Deus, também conseguiremos agradar e viver bem com nosso próximo.

A relação pactual no casamento é feita a partir de uma perspectiva de fidelidade em que as partes, homem e mulher, buscam viver bem cumprindo as funções prescritas por Deus em sua palavra para que o pacto solidifique-se e ao mesmo tempo, para que o casal tenha um convício cada vez melhor.

Para que isso aconteça é fundamental que as funções de cada um seja praticada, o marido amando e cuidando de sua esposa e casa, amparando e nunca ofendendo ou batendo em sua esposa, o cumprimento das escrituras em si, já nos faria abandonar muito das nossas intrigas e conflitos, a esposa por sua vez, deve exercer seu papel de auxiliadora tanto no cuidado de seu marido, na ajuda de sua casa, quanto também no que se refere a questões espirituais em sua casa.

O papel funcional da mulher é bem amplo e por isso, o papel funcional do homem, aumenta em relação a ela e todo o seu lar. Textos que nos ajudam a entender isso devem ser lidos por nós 1Pd 3.1-7, Ef5.15-33, 1Co7 e vários outros. Orientem suas vidas pela palavra de Deus e certamente conseguirão resolver suas crises e dilemas.

 

Oração um meio de intimidade e dependência de Deus

Infelizmente a idéia que temos sobre oração é de um sino ou campainha que quando acionados, faz com que o mordomo apareça e sirva os senhores naquele exato momento. Para tristeza nossa, quando isso acontece, Deus é que acaba servindo como mordomo e nós os senhores a sermos servido. Nos esquecemos que a oração é um meio de intimidade com Deus, através do qual nos aproximamos do nosso Senhor e compartilhamos com Ele nossos desejos e ansiedades como um filho faz com seu Pai.

E que a oração, não é base de reivindicação e nem de determinação a Deus seja por qual motivo for. O próprio Cristo nos ensina isso e numa situação muito difícil e de profunda angustia, num momento que antecedia sua crucificação e que Ele sabendo o que Lhe esperava busca a presença de Deus numa demonstração de intimidade e dependência do Pai Mc14.32-41.

Esse texto é fundamental para entendermos o quanto necessitamos de Deus nas circunstancias mais variadas da nossa vida em que aparentemente ninguém e nada pode ser feito para nos ajudar. Cristo chama alguns de seus discípulos para orar com ele, demonstrando um momento de carência humana e solidão, e nenhum deles consegue ficar acordado para acudir o mestre em um dos períodos mais críticos e dolorosos de sua vida vs34.

Cristo ora a Deus e não determina nada, não reivindica coisa alguma, não tenta usar de sua prerrogativa de Filho Eterno para bater o pé e exigir algo de Deus como fazem alguns malandros que se intitulam “apóstolos” ou mesmo, “bispos e pastores”. O filho de Deus Jesus nosso irmão, ora e pede a Deus que a vontade de Seu Pai, fosse feita vs36.

O sofrimento estava aterrorizante em Cristo, massacrando a alma de nosso Salvador numa situação dificílima e de profunda ansiedade, mas o Senhor Jesus nos mostra que ainda que não recebamos aquilo que esperamos do Pai, isso não nos deve fazer gente sem esperança e amarga vs41. Cristo sabia o que enfrentaria, mas nesse momento Ele mostra dependência e intimidade com seu Pai, intimidade tal, que o capacitou a receber como resposta que a vontade de Deus era o cumprimento do pacto da redenção, que o levaria a morte para a salvação de seu povo.

Há vários textos nas Escrituras que nos advertem sobre isso, somos instigados por Deus para orar, ainda que o Senhor saiba do que necessitamos e isso  não é uma contradição, mas uma demonstração do prazer que Deus tem de que obedeçamos sua palavra  Mt6.5-8, percebam o que eu disse no vs8.

A bíblia nos ensina também sobre a oração como uma forma terapêutica utilizada por Deus na edificação da nossa alma algo que funciona como um balsamo de Deus sobre o nosso coração, isso por falarmos com o Senhor dos senhores e termos da parte desse nosso Rei, uma atenção toda especial, uma atenção especial que não temos de políticos, governadores, presidentes, mas que temos do nosso Senhor e Rei Fl4.6-7.

O nosso Deus nunca está ocupado demais para não nos atender, em sua agenda sempre há uma brecha para nós, sempre há uma oportunidade para nos ouvir, sempre há um espaço para nos dar atenção e isso em momentos difíceis, intrigantes, nervosos e de guerras na alma, momentos que são trocados pela doce e prazerosa paz do nosso Senhor vs7. Portanto, dependa de Deus e tenha intimidade com seu Senhor.

 

Descansando na presença de Deus

Há uma estrofe em nosso hino nacional que se canta assim: “deitado eternamente em berço esplendido ao som do mar e à luz do céu profundo, fulguras do Brasil florão da América, iluminado ao sol do novo mundo!”. E assim vai, esta na verdade é a 3 estrofe de 4 que compõe o hino. Há muitas brincadeiras que alguns céticos fazem em relação ao Brasil, quando se canta esta parte do hino. Alguns dizem que estamos deitados eternamente e é por isso que o país não anda, outros dizem que estamos deitados em berço esplendido achando que nunca teremos que sair dessa nossa situação de comodismo social e político em meio a tantas crises que vivemos em nossa nação e por ai segue.

Piadas é o que às pessoas mais fazem, principalmente quando nossa letargia, nosso marasmo e comodismo colaboram para isso. Quando porém transferimos essas situações políticas para o meio religioso, percebemos que muitas pessoas cristãs evangélicas também são motivos de piadas e gozações, que são feitas até mesmo por outros cristãos que pensando ter uma vida de autonomia, acabam discursando como políticos ou mesmo como sociólogos, antropólogos e alguns teólogos de linha mais aberta, que crêem num Deus que foi capaz de criar todas as coisas, mas que não tem mais contacto e nem cuidado com sua própria criação.

Temos dois extremos nessa questão toda, uma que acham que podem deitar-se e esperar com que as coisas aconteçam sem que eles atuem para que elas ocorram, outros que acham que sem nós as coisas nunca aconteceriam e para sempre ficariam estagnadas. Como conciliar ou resolver esse problema? Aprendendo nas Escrituras que ela nos ensina a respeito de um Deus soberano e capaz de fazer coisas esplendidas, acima mesmo de toda a nossa capacidade e compreensão, mas também entendendo que as escrituras nos ensinam que somos agentes livres, que devem buscar fazer o melhor e dar o melhor naquilo que entendemos ser as coisas que agradam a Deus. Sem mim nada podeis fazer disse Jesus em Jo15.5.

Mas por outro lado, vemos que a responsabilidade do IDE e anunciar o evangelho Cristo deu a nós na grande comissão Mt28.19 quando disse: Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações. São coisas simples e que mostram a nossa absoluta dependência de Deus em todos os caminhos e direções que tomarmos, mas também aponta para a responsabilidade que temos como pessoas que somos.

Portanto, a nós, não nos cabe deitar eternamente em berço nenhum, principalmente quando crescemos de tamanho, mas, por outro lado, não devemos desprezar a ação operosa de Deus em nossa vida, que é capaz de transformar e realizar coisas gigantescas seja qual for a situação em que vivemos. Ef3.20, a bíblia nos diz que Deus, é Aquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos. Há alguma coisa que você tem achado ser impossível para você? Descanse em Deus. Há alguma situação que envolve seu casamento, sua vida financeira, doença, questões emocionais e assim por diante que está te levando ao desespero ou mesmo a angustias? Decisões difíceis que devem ser tomadas em breve tempo? Deus é poderoso supremamente a ponto de transformar todas essas questões, descanse nele e durma em paz.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma Resposta